Desde 2001, um website dedicado à divulgação dos Escritos teológicos de Emanuel Swedenborg (1688-1772).
Literatura Estudo Bíblico Links Biografia de Swedenborg Contatos
Sermões Downloads Tópicos Swedenborg website  

Oração - Capítulo 3

PÁGINA PRINCIPAL |  PÁGINA ANTERIOR  |  PRÓXIMO CAPÍTULO

Oração
 
3. Modo como se deve orar

  3.1. Individualmente

Oração é uma prática muito íntima, do indivíduo com o Criador e Salvador. Orar é falar com Deus do íntimo de nossos corações, por isso, é necessário às vezes nos retirarmos do tumulto das coisas terrenas e do mundo. E como orar é abrir o coração e confessar, por isso também é necessário orarmos sozinhos, porque assim não nos preocupamos com o fato de a pessoa ao nosso lado ouvir nossas confissões a Deus.

Assim, convém ficarmos a sós algum tempo com Deus, porque, de fato, há sentimentos maus e pecaminosos que às vezes temos de confessar e que não precisam nem devem ser do conhecimento dos outros, para não sermos julgados pelos outros por coisas que talvez não fazemos nem queremos, mas que são dos infernos e pelas quais somos tentados. É por isso que o Senhor disse:

Mateus 6:6: Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente.

Visto que Deus nos ouve no oculto, é evidente que não dependemos do auxílio de outras pessoas para que nossas orações cheguem aos céus e Deus nos ouça. É comum algumas pessoas confiarem em outros cuja oração, segundo pensam, é mais ouvida por Deus do que a delas mesmas. Mas esta é uma dependência infantil, porquanto ninguém, pessoa alguma na face na terra, tem poder algum por si mesma. Por conseguinte, ninguém tem privilég terra, tem poder algum por si mesma. Por conseguinte, ninguém tem privilégio de se chegar mais perto de Deus do que os outros. Ninguém tem poderes especiais, porque todo poder pertence somente ao Senhor.

Jeremias 17:5-9: Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR! Porque será como a tamargueira no deserto, e não verá quando vem o bem; antes morará nos lugares secos do deserto, na terra salgada e inabitável.

Bendito o homem que confia no SENHOR, e cuja confiança é o SENHOR. Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto. Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?

Para o Senhor, tanto faz esta ou aquela pessoa orar: Ele atenderá o pedido de um coração fiel e que crê nEle, contanto que o pedido seja realmente um bem.Nas coisas espirituais, não precisamos da mediação de espíritos, nem de santos, nem de homens mortos e muito menos de homens vivos. Não precisamos de um "pai espiritual" neste mundo, porque só o Senhor é o nosso Pai Celestial. Quando o véu do templo se rasgou, foi-nos aberto acesso direto a Deus. Enquanto pensarmos que dependemos deste ou daquele irmão, deste ou daquele pastor, para nosso relacionamento com Deus, seremos crianças na fé e estaremos sujeitos a sermos levados a muitos enganos.

Podemos e devemos orar por nós mesmos. Devemos estar solitários às vezes, para meditarmos sobre nossas responsabilidades espirituais. Por isso o Senhor também se retirava da companhia dos outros:

Mateus 14:23: E, despedida a multidão, subiu ao monte para orar, à parte. E, chegada já a tarde, estava ali só Mateus 26:36 Então chegou Jesus com eles a um lugar chamado Getsêmani, e disse a seus discípulos: Assentai-vos aqui, enquanto vou além orar. Mateus 26:44 E, deixando-os de novo, foi orar pela terceira vez...

No entanto, é possível que algumas vezes nos sintamos tão desanimados e abatidos, que não faz mal se buscarmos a companhia de pessoas que comunguem de nossa fé no Senhor, para orar conosco e nos auxiliar em nossa confiança nEle.

3.2. Francamente

Orar nada mais é que manifestar a vida e confessar a necessidade de auxílio Divino. A oração é para abrir os corações e mentes diante de Deus. "Entrar no aposento" é ir no íntimo de seu ser, examinar o entendimento e a vontade para manifestá-los diante de Deus. É, pois, uma introspecção, um auto-exame, para se confessar a Deus os males do ser irregenerado e as falsidades do entendimento falho.

A oração não é, realmente, para contarmos a Deus o que vai em nosso ser, porque o Senhor já conhece todas e cada uma das coisas em nós, e não precisa que lhe falemos de coisa alguma, para tomar conhecimento do que está em nosso íntimo. Ele conhece profunda e infinitamente bem todas as coisas que ali estão.

Salmo 139: 1-4: SENHOR, tu me sondaste, e me conheces. Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Cercas o meu andar, e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos. Não havendo ainda palavra alguma na minha língua, eis que logo, ó SENHOR, tudo conheces.

De fato, se fosse apenas para abrirmos nossos corações a Ele, não precisaríamos orar. Mas a razão por que abrimos nossos corações em oração é, nada mais nada menos, para que nós mesmos passemos a ter ciência dos motivos por que temos agido, das afeições que nos têm dirigido e, assim, da carência espiritual de nossas almas. "Entrar no aposento de nosso mente" é, pois, refletir sobre nossa ínfima condição humana; confessarmos nossas faltas e reconhecermo-nos culpados e condenáveis por causa delas; humilharmo-nos por causa de nossa invalidez e, em seguida, implorarmos a Misericórdia Divina; após isso, resolvermos, decididamente, a afastar os males de nossos atos de diante dos olhos de Deus.

Se, depois, afastarmos com determinação os males como pecados contra Deus e o próximo, então o Senhor nos ouvirá, porque, afastando o mal, damos lugar à recepção do bem. Limpamos o interior do copo e do prato de nossa vontade e entendimento para receberem o bem e a verdade Divinos que nos alimenta espiritualmente. Nessa condição é que o Senhor nos disse:

João 15:7 "Se vós estiverdes em Mim, e as Minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito".

3.3. Racionalmente

Devemos orar com a nossa vontade, mas também com o nosso entendimento. Em outras palavras, devemos ter noção clara do que estamos dizendo a Deus, do que estamos pedindo a Ele, das promessas que fazemos e dos votos. Pela mesma razão, devemos ter o cuidado ao concordarmos com a oração dos outros, para não usarmos a palavra "Amém" em vão, porque "amém" quer dizer "Verdade", e a Verdade é o Senhor mesmo.

Se, por exemplo, a pessoa está orando a um Deus dividido em três pessoas, pretendendo estar falando com a pessoa do Pai como se fosse uma pessoa separada de Jesus Cristo, não podemos de forma alguma concordar com esta oração dizendo Amém, porque estaremos concordando com uma heresia medonha, e ainda mais quando sabemos e conhecemos a verdade sobre a pessoa única de Deus. Precisamos ter critério e ser zelosos no orar:

1 Cor. 4:15,16 Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento. De outra maneira, se tu bendisseres com o espírito, como dirá o que ocupa o lugar de indouto, o Amém, sobre a tua ação de graças, visto que não sabe o que dizes?

3.4. - Suficientemente

Por quanto tempo se deve orar? A duração de nossas oração influi em alguma coisa? Faz diferença se orarmos várias horas seguidas? Se orarmos toda a noite, nossa oração será melhor ouvida por Deus? Segundo o pensamento antigo em que fomos ensinados na velha igreja cristã, quanto mais tempo passarmos ajoelhados orando, mais bênçãos receberemos. Segundo esse pensamento, se passarmos a noite inteira orando, muito mais bênçãos ainda o Senhor nos dará. De fato, este pensamento se baseia em algumas passagens da Palavra, como em Lucas, onde o Senhor diz que devemos orar o todo o tempo.

Lucas 21:36 Vigiai, pois, em todo o tempo, orando... Ainda: Marcos 13:33 Olhai, vigiai e orai; porque não sabeis quando chegará o tempo.

E também em Paulo, em sua primeira carta aos Tessalonicenses:

1 Tessalonicenses 5:17: Orai sem cessar.

Mas o Senhor também disse que a adoração feita a Ele (e aí se inclui a oração, evidentemente), deve ser em espírito:

João 4: 23,24: Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.

Sabemos que a oração é o ato de falar com Deus desde o íntimo do nosso coração. Por isso, se estivermos sempre agindo de acordo com a consciência, isto é, de acordo com as verdades da Palavra, então o Espírito Santo do Senhor, através das verdades, estará sempre nos conduzido nos íntimos de nossa mente, que é o nosso espírito. Nossa consciência estará sendo mantida sempre alerta por Ele para vermos o mal e nos afastarmos das cobiças do mal. Ainda que estejamos pensando nas coisas da vida natural, pensando nos deveres de nossa ocupação, ou nos divertindo de maneira sadia, nossa consciência das coisas de Deus estará vigilante. Então estaremos vigiando, e a vida vivida conforme a verdade será uma vida de oração interior, o culto interno prestado a Ele, adoração em espírito e verdade. Assim estaremos também orando em espírito todo o tempo e vigiando sem cessar.

Quando disse que devemos orar todo o tempo, o Senhor não nos mandava estar de joelhos no templo o dia todo, porque para isso teríamos de deixar de lado e negligenciar os deveres de nossos usos. E isto seria inaceitável ao Senhor. Assim, não é justo, de modo algum, que descuidemos de nossos deveres domésticos ou profissionais para estarmos de joelhos todo o tempo em oração, ou freqüentando o templo a toda hora e todo dia, porque então estaremos sendo negligentes no tocante às demais coisas de nossa vida natural, e isto será um testemunho contra nós.

As coisas de Deus devem ser feitas dentro da ordem, porque Ele é a ordem. Há tempo adequado para cada coisa, inclusive para deixarmos todas as coisas materiais e nos dedicarmos só ao culto e à oração. Por isso Ele nos ordenou:

Êxodo 20:8-11: Lembra-te do s coisas materiais e nos dedicarmos só ao culto e à oração. Por isso Ele nos ordenou:

Êxodo 20:8-11: Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o SENHOR o dia do sábado, e o santificou.

Por conseqüência, mais vale para Deus a oração feita em espírito, com a consciência de estarmos obedecendo em nossos atos da vida diária o que é justo e verdadeiro. Se houver isto, uma oração poderá ser breve, que será ouvida por Deus se for sincera..

A oração em espírito é aquela que se faz com a disposição interior de obedecer à Sua Lei, com o desejo de ter o amor verdadeiro para com nossos irmãos. Isto, para Deus, vale muito mais do que passarmos o dia e a noite em altos clamores e depois, saindo dali, nos deixarmos levar pela soberba, pela maledicência, pela indiferença e pela impiedade. Porque a vida verdadeiramente cristã é a vida de atos, vida de usos, e não de palavras somente. É a vida de caridade, não de fé somente.

  Continua  >>