Desde 2001, um website dedicado à divulgação dos Escritos teológicos de Emanuel Swedenborg (1688-1772).
Literatura Estudo Bíblico Links Biografia de Swedenborg Contatos
Sermões Downloads Tópicos Swedenborg website  

Estudo Bíblico "A Escritura Santa" - Parte 3.3 - O Livro de Jeremias
 PÁGINA PRINCIPAL | PÁGINA ANTERIOR | PRÓXIMA PÁGINA

...,,
Parte 3 - Livros do Antigo Testamento

Capítulo 34- O Livro de Jeremias

34. História do Livro de Jeremias

34.1- O profeta Jeremias era filho de Hilquias, de uma família que exercia o sacerdócio. Nasceu em Anatote, uma vila que ficava na tribo de Benjamim, perto de Jerusalém. Esta vila era uma das cidades que tinham sido dadas aos levitas, isto é, para moradia das pessoas que trabalhavam para o templo.

34.2- Jeremias foi designado pelo Senhor para exercer o ofício profético quando era ainda muito jovem, talvez com quatorze anos. Ele começou a profetizar no 13º ano do reinado de Josias (este rei também começou a reinar muito jovem, aos oito anos de idade, apenas!). Jeremias continuou sua pregação durante o período da destruição de Jerusalém pelos babilônicos. Aparentemente, morreu no Egito, após ter sido profeta em Judah durante 40 anos.

34.3.- Sendo ainda

34.3.- Sendo ainda muito jovem ao ser chamado pelo Senhor, Jeremias a princípio relutou (leia o cap.1, versículos 6 a 9), por causa de sua pouca idade e incapacidade para a obra. Mas, sob a ordem do Senhor, aceitou a missão e fez o seu trabalho com zelo e fidelidade, no meio de um povo corrompido e perverso. Foi muito perseguido, porque falava sempre as verdades que o Senhor enviava ao povo. Sua vida esteve continuamente em perigo e foi severamente castigado por reis e líderes ímpios.

34.4- Jeremias amava muito o seu país. O Senhor lhe mostrava o perigo que a nação judaica estava correndo e fazia contínuas advertências, mas ninguém dava ouvidos. O povo judeu estava sendo ameaçado de destruição e cativeiro pelos babilônicos, e pensava que ia encontrar socorro no Egito. Jeremias lhes falava que era ilusão esperar salvação do Egito, que não podia livrá-los. Por isso Jeremias era considerado como inimigo e traidor. E Jeremias se lamentava com a desobediência e a triste sorte de Judah e Jerusalém, pela destruição que viria. Por isso o seu segundo livro é chamado "Lamentações de Jeremias", como veremos na próxima lição.

34.5- Nessa época havia muitos falsos profetas em Jerusalém, pessoas que diziam ter sido mandadas por Deus e falavam mentiras e falsidades sobre a salvação de Judah. Eles diziam coisas contrárias ao que Jeremias profetizava. É dito no livro a respeito deles: "profetizavam em nome de Baal... andam em mentiras... fazem que Meu povo se esqueça do Meu nome pelos sonhos deles..."(23:13-23. E o Senhor não cessava de aconselhar, pela boca de Jeremias: "Emendai os vossos caminhos e os vossos feitos... não confieis em palavras mentirosas... que não vos podem aproveitar"

34.6- Depois de muito apelar, inutilmente, para que Jerusalém deixasse de fazer o mal e ouvisse as palavras Divinas, Jeremias concluiu que o povo ficara surdo para a voz da verdade. Ele tinha razão quando dizia: "Esta é a nação que não escutou a voz de JEHOVAH, seu Deus, nem recebeu os mandamentos. A verdade já pereceu, exterminada em sua boca" (7:28). Agora viria o castigo por sua desobediência e infidelidade a Deus.

34.7- O LIVRO DE JEREMIAS

34.7.1- Escrito entre os anos 629 e 588 antes de Cristo, o livro de Jeremias traz as profecias que ele entregou, como mensagens Divinas, à nação judaica que estava para ser assaltada pelos inimigos e levada ao cativeiro. Foram profecias dadas nos reinados de Josias, Jeoiaquim, Jeconias, Zedequias e, também, depois da destruição de Jerusalém e no Egito. O livro de Jeremias tem 52 capítulos e 1365 versículos.

 

34.8- Assuntos do Livro de Jeremias

Cap.1- Título geral do livro. Jeremias recebe a missão. A visão que teve e a sua significação. Promessas de proteção Divina a Jeremias no desempenho de sua obra.

Cap.2- Deus fala sobre o Seu povo; a misericórdia Divina e a ingratidão de Jerusalém; a idolatria grosseira em que caíram; por isso seriam rejeitados;,

Cap.3- Exortação para que Jerusalém se arrependa, pois se tornara com prostituta; queixa contra Judah por ter excedido em maldade a Israel; promessas de por ter excedido em maldade a Israel; promessas de perdão aos que se arrependerem,

Cap.4- O profeta fala a Judah; as desolações que viriam sobre Jerusalém; o estado corrompido do povo; o Senhor exorta a que se afastem do mal para que sejam salvos;

Cap.5- Sobre a religião deles, que era falsa e hipócrita; eles persistiam em fazer o mal, e por isso eram ameaçados com castigos; os inimigos viriam sobre Jerusalém como um leão e a afligiria cruelmente,

Cap.6- Jerusalém é exortada a se preparar para a guerra; o povo é avisado a respeito da destruição que vem; Jeremias insiste para que se arrependam,

Cap.7- Os judeus são advertidos de que a confiança que têm no templo é vã, se não deixam o mal; os pecados de Jerusalém são descritos e enumerados; o povo não obedeceu a Deus nem recebeu sua correção,

Cap.8- O juízo se estenderia até aos mortos; os ossos dos reis seriam expostos por causa do seu mal. O profeta volta a reprovar o povo por persistirem na transgressão que os faz mais estúpidos do que as bestas. Falam de paz, mas não haverá paz, e sim uma invasão de inimigos, trazendo a devastação à terra. Lamentos do profeta pela sorte do povo.

Cap.9- Continua a lamentação por causa dos pecados do povo: em sua maldade, cada um engana a seu irmão. Fala contra a arrogância dos sábios. O juízo de Deus sobre o povo e sobre as nações pagãs.

Cap.10- Palavra contra a idolatria dos caldeus e o contraste com o culto ao Senhor. Que Jerusalém não ande no caminho das nações idólatras. Fala do juízo Divino, lamentando a sorte de Jerusalém e pedindo a compaixão Divina em favor daquela cidade.

Cap.11- Os judeus são reprovados por sua desobediência à aliança feita com seus pais ao entrarem na terra. Eram idólatras e por isso seriam destruídos sem que houvesse quem clamasse por eles. Jeremias é impedido de interceder por eles; seus sacrifícios são rejeitados. O juízo sobre o povo de Anatote.

Cap.12- O profeta argumenta com Deus sobre os caminhos da Providência ao permitirem prosperar os maus. Da iniqüidade dos sacerdotes e dos falsos profetas. A casa do Senhor está abandonada e toda a terra sofre.

Cap.13- A visão de um cinto que apodrece, representando a soberba de Jerusalém. Uma exortação ao arrependimento e os desgostos do profeta por causa do povo.

Cap.14- A terra está sedenta e faminta. As aflições e desolações dos seus habitantes. O profeta intercede pelo povo e em nome do povo confessa os pecados, mas as intercessões não serão aceitas. Fala também dos falsos profetas, que não foram enviados pelo Senhor.

Cap.15- Uma variedade de imagens a respeito do cativeiro futuro. O profeta se queixa de sua pesada missão e é reprovado. Ele se humilha e Deus promete Sua proteção a ele e aos que forem fiél.

 

Cap.16- Palavra a Jeremias instruindo-o a não constituir família, por causa da condição do país. As desolações vindouras: os cadáveres ficariam insepultos, pasto para aves e animais, porque deixaram o Senhor e foram atrás de ídolos. Fala da conversão dos gentios.

Cap.17- Sobre o pecado de Judah, gravado com ferro; seria levada a servidão. É amaldiçoado o que confia no homem (semelhante ao que é dito no Salmo 1); o profeta ora a Deus e se queixa de seus inimigos. Ênfase quanto à observância do sábado.

Cap.18- A parábola do oleiro que refazia um vaso de barro que se quebrara e sua significação. O povo é exortado ao arrependimento, mas se recusa. Novas advertências quanto à terrível sorte na mão dos inimigos.

Cap.19- Por meio da significação de um vaso quebrado, Jeremias prediz a desolação futura de Judah e Jerusalém.

Cap.20- Por causa de suas profecias, Jeremias é ferido e preso por Pasur, chefe do templo. No dia seguinte e solto e fala do terrível julgamento que viria sobre os príncipes e sobre toda Judah, no cativeiro babilônico. O profeta se queixa de sua missão e é tentado a não profetizar mais em nome do Senhor. Mas reafirma sua confiança em Deus.

Cap.21- Quando Nabucodonosor vem contra Jerusalém, o rei Zedequias envia Pasur a Jeremias para que este interceda em favor do seu povo. Mas Jeremias diz que não há salvação a não ser que se entreguem ao invasor da Babilônia. As próprias dos judeus seriam contra eles. Quem restasse na cidade seria morto e só viveria quem fosse escravo.

Cap.22- Continua a profecia à casa real de Judah e ao povo. Que se convertessem e praticassem a justiça, do contrário o mal seria enorme e serviriam de espanto.

Cap.23- Palavra contra os pastores de Israel que dispersaram e destruíram o rebanho do Senhor: seriam visitados em sua maldade. A promessa de livramento e o Renovo justo que o Senhor levantaria a David. O horror de Jeremias à iniqüidade dos sacerdotes e profetas de Judah; ele exorta o povo a não ouvir as falsas profecias.

Cap.24- Por meio da representação de cestos de figos bons e figos bravos é mostrada a sorte dos judeus no cativeiro e dos restantes na terra.

Cap.25- Este capítulo contém um sumário dos juízos preditos por Jeremias contra Judah, Babilônia e muitas outras nações. O cálice da ira Divina é apresentado às nações. Fala do juízo a ser feito sobre os reis iníquos e os magistrados.

Cap.26- Jeremias fala da destruição do templo, caso o povo não se arrependa de sua maldade. Por causa dessa profecia, sua vida corre perigo: seria morto, mas foi salvo graças à interferência de Aicão, filho do sacerdote.

Cap.27- Embaixadores de nações vizinhas vêm a Jerusalém propor ao rei Zedequias que se aliem contra Nabucodonosor. Jeremias, por ordem do Senhor, mostra por meio de um símbolo de jugo, que eles não terão sucesso contra Nabucodonosor. Zedequias é advertido a não se juntar a eles. Profecia sobre os vasos sagrados do templo: os que restaram seriam levados pelos invasores.

Cap.28- Um falso profeta, Hananias, fala que o Senhor libertaria o povo, mas por causa dessa falsa profecia é punido com morte.

Cap.29- Este capítulo contém duas cartas enviadas pelos profetas aos que já foram para o cativeiro na Babilônia. Fala da duração do cativeiro, que seria de 70 anos. Semaías, um nehelamita, fala contra essa mensagem de Jeremias e por isso sofre castigo.

Cap.30- O Senhor manda Jeremias registrar as profecias para quando o povo voltasse do cativeiro. Promessas de restauração e de bênçãos sob o governo do Messias.

Cap.31- Continua o assunto precedente com uma visão animadora dos tempos futuros. Fala de Deus e de Seu cuidado por Israel, prometendo restaurar ao povo a sua terra e a sua liberdade. A lei seria inscrita em seus corações e o Senhor mesmo os guiaria.

Cap.32- Jeremias prevê o fim do rei e da cidade. A representação que se faz do retorno dos judeus pela compra de um campo mediante um contrato selado. O profeta fala dos atos bondosos do Senhor para com Israel e deplora o estado lamentável do país. Promessa de restauração e de nova aliança.

Cap.33- Outra palavra a Jeremias, sobre o cativeiro de Judah, que terminaria. Todos habitariam em segurança. O Senhor não rejeitaria a Jacob.

Cap.34- Palavra que Jeremias falou a Zedequias, quando da invasão de Jerusalém: Zedequias seria preso mas não morreria. A espada, a peste e a destruição sobreviria ao povo pelas mãos do rei da Babilônia.

Cap.35- Jeremias toma um homem recabita como exemplo de fidelidade, para que Judah aprendesse a obediência que deveria ter tido para que não sofresse a destruição.

Cap.36- No tempo do rei Joaquim, o Senhor manda Jeremias registrar as profecias num rolo. Tendo sido lido diante do rei, este o queimou. Mas o Senhor manda Jeremias escrever outro e profetizar contra o rei.

Cap.37- O exército de Faraó sobe a Jerusalém no tempo do rei Zedequias. Mas o Senhor o fez voltar, pois os caldeus sitiariam a cidade. Jeremias é preso por falsa acusação, mas depois é solto por Zedequias e mantido no átrio da guarda.

Cap.38- Jeremias continua a pregar a rendição aos babilônicos e por isso os príncipes o prendem num poço. O rei manda tirá-lo e pede-lhe que não mais profetize. Jeremias o aconselha a se render e fica em Jerusalém até a cidade ser tomada.

Cap.39- No ano 11 do rei Zedequias, após 2 anos de cerco, Nabucodonosor entra em Jerusalém. O povo foge mas é perseguido pelos caldeus, que também mata os filhos de Zedequias que depois tem os olhos arrancados. Jeremias é protegido por Nabucodonosor.

Cap.40- Jeremias vai morar em Mizpá, no meio do povo que restou na terra. Ali aconselha os remanescentes a se submeterem aos caldeus para que tivessem paz. Outros judeus vieram para Mizpá.

Cap.41- O rei babilônico põe Matanias como governante sobre os remanescentes na terra. Um rebelde, Ismael, mata o governante e mais 80 homens de Siquém, além de aprisionar o povo de Mizpá. Joanã e outros príncipes se levanta contra Ismael e depois leva o povo para perto de Belém, por medo da vingança do rei caldeu.

Cap.42- O povo quer ir para o Egito e pede Jeremias que consulte ao Senhor. A palavra de Jeremias é que o povo fique, pois a espada que eles temiam os alcançaria mesmo no Egito.

Cap.43- Mas os líderes não aceitam a palavra de Jeremias, acusando-o de estar do lado dos caldeus. E levam o povo para o Egito. Jeremias profetiza que Nabucodonosor desceria ao Egito.

Cap.44- Profecia contra os judeus que foram se refugiar no Egito não ouvindo a palavra do Senhor. Seriam consumidos no Egito e só uns poucos voltariam a Jerusalém. O faraó Hofa seria entregue nas mãos de Nabucodonosor.

Cap.45- No ano 4º de Joaquim, Jeremias fala a Baruque, que se queixara das palavras de Jeremias. A alma de Baruque seria dada em despojo.

Cap.46- Profecia contra o Egito e o faraó Neco. Exorta-os a se prepararem para a guerra, porque chegava o dia da vingança do Senhor. Fala da destruição do Egito por Nabucodonosor.

Cap.47- Profecia contra os filisteus e Ascalom. Seriam submergidos nas águas do norte.

Cap.47- Profecia contra os filisteus e Ascalom. Seriam submergidos nas águas do norte.

Cap.48- Profecia contra Moabe: suas cidades seriam envergonhadas e espantadas, pois confiaram em suas próprias obras e tesouros. Grande seria sua destruição.

Cap.49- Profecia contra os amonitas, que se gloriavam nos vales; filha rebelde que confiava em seus tesouros, achando-se muito segura. E contra Edom. Bozra serviria de espanto por causa de sua assolação, enganado pela arrogância de seu coração. Profecia contra Damasco: enfraquecida, o fogo consumiria seu palácio real. Profecia contra Quedar: seria destruída destruída por Nabucodonosor; suas tendas e cortinas seriam levados, pois habitava confiantemente embora se tivesse tornado morada de dragões. Profecia contra os elamitas: seu poder seria tomado.

Cap.50- Profecia contra a Babilônia: seria tomada e confundida. Os filhos de Israel e Judah se voltariam para o Senhor, como ovelhas perdidas. Porquanto a Caldéia se alegrara em saquear a herança do Senhor e se inchara de soberba, tornar-se-ia em assolação. A espada viria contra a Babilônia. Um povo viria do norte contra Babilônia.

Cap.51- Continua a palavra contra a Babilônia numa extensa profecia contra Babilônia. Um povo os mataria nas suas cidades, pois o Senhor não abandonaria Israel. O Senhor quis sarar Babilônia, mas ela recusou a cura. Por seu juízo estava às portas.

Cap.52- Zedequias tinha 21 anos e reinou 11 sobre Jerusalém. Daqui em diante, este capítulo repete a história do cerco e da tomada de Jerusalém, como se acha em II Reis 25:1 a 30).

************************

 

.

Capítulo 34 - Avaliação

1- Em que época viveu Jeremias?

2- Que atitude ele teve ao ser chamado para esta missão, e por que?

3- Como o povo recebia as profecias de Jeremias?

4- Qual seria a conseqüência da rebeldia do povo?

5- De onde os judeus pensavam obter a salvação?

6- Que outro livro Jeremias escreveu?

***********************

 

Se desejar, você pode nos enviar suas perguntas ou comentários por carta ou e-mail

 Continua > > 

 PÁGINA PRINCIPAL | PÁGINA ANTERIOR | PRÓXIMA PÁGINA

Atualização: Outubro, 2013 - doutrinascelestes@gmail.com